Quem sou eu

Minha foto
São Paulo - Zit Zona Sul, São Paulo - Capital, Brazil
Claudio Rufino, Pós Graduado em Gestão Empresarial (MBA-Gestão Empresarial), Bacharel em Ciências Contábeis, Técnico em contabilidade, professor de contabilidade, Educador Financeiro, Graduando em Ciências Juridicas. Na década de 90 formado em "Técnico em Contabilidade" precisamente no ano de 1992 pelo Colégio Cenecista Professor Henrique José de Souza(CNEC), no estado do Rio de Janeiro. Pós Geaduado em Gestão Empresarial - MBA pela Universidade Ibirapuera, Graduado em Ciências Contábeis pela FASUP - FACULDADE SUDOESTE PAULISTANO - São Paulo - SP. Atuando como Empresário Contábil na Zona Sul de São Paulo. Atuante na área contábil desde 1993, somando conhecimentos para obter resultados com excelência e qualidade. Claudio Rufino, desde 1993 prestando serviços com excelência e qualidade. www.fcscontabeis.com.br https://www.facebook.com/fcscontabeis

terça-feira, 27 de outubro de 2015

MEI - Por que se formalizar?”

MEI - Por que se formalizar?”

Desde 2008 quando se criou a Lei do MEI – Microempreendedor Individual, há uma mudança de postura nos profissionais que antes eram totalmente informações, cada vez mais estão buscando profissionalizar e formalizar seus negócios.
postado 22/10/2015 09:58:43 - 1014 acessos
Desde 2008 quando se criou a Lei do MEI – Microempreendedor Individual, tenho visto uma mudança de postura das artesãs sobre a sua atividade, o que antes era totalmente informal, visto como um bico para ajudar na renda da família, hoje tenho visto um cenário diferente, cada vez mais artesã que estão levando o artesanato como um negócio, profissionalizando e buscando cada vez mais informações.
O número de Microempreendedores já ultrapassou a marca de 5 milhões e ela é uma das melhores formas de começar seu negócio direito de maneira legal. A seguir listo alguns dos benefícios de se formalizar:
• Contribuição Previdenciária: Como MEI a artesã terá direito ao benefício de INSS para si mesma e sua família (auxílio-doença, aposentadoria por idade após carência, salário-maternidade, pensão e auxilio reclusão), a contribuição pelo MEI é mais barata que a contribuição individual sobre o salário mínimo.
• Contratação de 1 funcionário com menor custo: Poder registrar até 1 empregado, com baixo custo – 3% Previdência e 8% FGTS do salário mínimo por mês.
• Acesso a crédito: Estar formalizada possibilita o acesso a crédito, mas é preciso que tenha formalizado o CNPJ e faça a emissão de nota fiscal para comprovar a regularidade do movimento, apenas o crédito em conta corrente não é suficiente para comprovar. Emita nota fiscalmesmo que em operações que os órgãos isentam.
• Assessoria Gratuita: O MEI pode buscar auxilio gratuito para formalizar o seu negócio, seja nas unidades do Sebrae espalhados em todo Brasil como em escritórios de contabilidade enquadrados no simples nacional. No portal do Fenacon você encontrará a lista de contadores.
Heloisa Motoki é Diretora Adm/Fin da Rede Mulher Empreendedora, fundadora da Quali Contábil (www.qualicontabil.com.br) e Consultora Especial no site Fórum Contábeis.  Com formação em MBA em Controladoria, Graduada em Ciências Contábeis e Técnico em Contabilidade,participante do programa de Empreendedorismo pela FGV/Goldman Sachs – 10.000 mulheres. Há 18 anos no mercado contábil, atua diretamente com pequenas e médias empresas em São Paulo. 
Originalmente publicado em Viver de Artesanato

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Participe, comente e divulgue, seja disseminador de informações.